sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

E o mar ta longe...


Apareceu um quadro e eu não soube decifrar, um segredo e um momento que não posso viver. É difícil ver que não lhe acreditam ou que o medo cega tudo que pode ser vivido. Eu vi o sol de ontem se esconder nas nuvens e se abrir em tempestade. Nada na minha vida se encaixa ou se transborda, nada faz sentido, logo eu que sempre fui A racional, A feliz, A pancada.
E vem aquelas coisas que nunca me fizeram sentido fazer um sentido maior do que eu. E dizem que doido cisma.Então sou doida, porque to cismada com a minha vida e maluca com sentimentos que fogem ao meu controle. É isso! Medo! Eu tenho medo do que vai ser quando eu acordar, porque pode estar tudo bem ou tudo desmoronar. Mas eu tenho que levantar e viver meu dia do mesmo jeito sem desistir de NADA. Sem jogar os sentimentos no lixo, porque eu quero viver isso e aquilo, e mais um pouquinho até que a vida me leve e a próxima chegue. Porque é assim, turbilhões de um único sentimento vazando por todos os lados, sendo visto por todos os olhos. Eu vejo a tempestade agora e lembro que posso esperar como sempre que ela passe, que o sol saia e que eu possa tomar banho de mar pra vida toda deixando o que é ruim de fora.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Tempo

As coisas envelhessem com muita facilidade, mas as amizades nunca envelhessem...
Sempre que conhecemos pessoas novas buscamos um certo conforto, conforto que nem sempre encontramos, e quando encontramos nem sempre vemos...
Um amigo sempre está pra te ouvir, sempre está quando vc quer chorar, ele sempre está... sempre...
Alguns passam e viram lembranças como as coisas velhas, mas não envelhecem...
Alguns ficam e criam raizes ainda mais fortes no nosso ser, sendo parte importante no nosso existir....
Amigos nunca devem morrer...
Devem ser como o tempo, que passa e volta na nossa lembrança como um final feliz...
Amigos são o que faz da vida uma felicidade.



(Retirado do Caderno de Sarah  - Dt 05/02/2007)

Caderno de Sarah

O pior de se fechar um blog, é fechar os comentários, as lembranças... Tanta coisa mudou desde que o Caderno começou que parece outra Sarah lendo aquilo tudo... Decidi que não vou publicar todos os poemas, alguns simplesmente não fazem mais sentido.
O caderno será retirado do ar na próxima semana e junto dele vão os depoimentos, os sentimentos e as vontades... Não sentirei saudade dos cartões de aniversario, mas sinto falta de publicar meus "blocos de notas"  pra quem quiser ler, sinto falta do susto de receber uma comentário de alguém que nem imaginava que lia o blog... O Em meu lugar foi aberto depois do caderno, por causa dessa minha necessidade de dormir e pra isso é preciso escrever. Vou mante-lo aqui com o caderno contido nele, porque no fim das contas não faz sentido ter um bloco e um caderno, posso escrever tudo numa coisa só! Para os grandes fãs do Alice em minha vida (1 ou 2 no máximo), to pensando em algo pra ele... Acho que quem acompanhar dará boas risadas... ;)

É isso galera, hora de começar a fase do luto pela morte do Caderno ou celebração pela transferência dele... :p