domingo, 31 de maio de 2015

As Crônicas de Arthur - O Rei do Inverno (Bernard Cornwell)

Hoje terminei um livro fantástico e confesso que estou ansiosa para o próximo. O Rei do Inverno de Bernard Cornwell é o primeiro de uma trilogia que conta a historia de Arthur (aquele que tirou a espada da pedra lembra?). Para esse primeiro livro tenho uma palavra: Paixão.

A paixão rodeia toda a historia e transforma completamente o rumo das coisas. Mas o que importa mesmo é que eu estou APAIXONADA pelo Derfel. Eu me apaixonar por um personagem não é novidade nenhuma, porque eu vivo fazendo isso, me apaixono, torço por ele, vibro com ele, sofro com ele, e depois termina o livro e eu fico órfã dele. Mas nesse caso, como é uma trilogia ainda tenho mais 2 livros pra curtir os personagens, ainda falta muita historia pra me despedir do Derfel.
Lorde Derfel Cadarn

O Derfel é um monge idoso que escreve a historia de Arthur, a historia da Britânia, e apesar de ser um livro de fantasia, tudo, tudo mesmo, é muito real. Pra quem curte a lenda do Rei Arthur, ou leu as Brumas de Avalon conhece personagens importantes como Lancelot, Morgana, Merlin, Guinevere e Mordred... Nessa historia também temos todos esses personagens, mas de um jeito muito diferente do que conhecemos. Guinevere não é cristã, mas uma adoradora de Isis, Mordred é um aleijado, Morgana é feia que dói, Lancelot é um covarde, e Merlin não é um mago, é um druida.
A historia tem lutas infinitas, muita guerra, muita politica, muitas paixões e romances, e é muito real. Tão real que se me contassem que isso aconteceu de verdade eu acreditaria.
Lorde Derfel Cadarn - Filho de Bel

Eu demorei muito tempo pra começar a ler esse livro porque nunca tinha tempo, mas depois que comecei foi um vício. Minto. Eu comecei, tive que parar umas semanas pra resolver minha vida acadêmica e voltei a ler feroz e apaixonada. Então hoje, entra pra minha lista de melhores coisas do mundo: As crônicas de Arthur - O Rei do Inverno de Bernard Cornwell.

Se você é como eu e se desconecta do mundo quando lê um livro bom, esse livro é pra você! SUPER INDICO!!!

Próximo livro que vou ler, na verdade irei reler, é O Guia do Mochileiro das Galaxias do Douglas Adams. Por que vou reler? Porque tenho os 5 volumes e só li o primeiro. Como já tem uns anos vou reler pra continuar a sequência sem me perder. Quanto ao Segundo Livro das Crônicas de Arthur (O Inimigo de Deus) só daqui um tempo porque o livro é do meu irmão e por isso preciso viajar pra buscar.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Caramelos



"Há vários motivos para não se amar uma pessoa e um só para amá-la."
(Carlos Drummond de Andrade)


Observei meus passos, as vezes faço essa bobagem de ver os meus pés indo para frente e chegando em algum lugar. Aquele caminhar era diferente, nervoso, curto. Meus pés me levaram a um pequeno café, desses que eu nunca vou e sinceramente ainda não entendo o que estava fazendo ali. Mas ali eu estava.
Ele estava sorrindo para o amigo como se o que ouvia fosse a coisa mais engraçada do mundo. Pensei em entrar, mas ali, parada na porta podia ver cada detalhe do seu sorriso bonito. E que sorriso bonito.
Um homem por volta dos 40 anos esbarrou em mim na tentativa de entrar fazendo a sineta tocar, interrompendo assim, a conversa engraçada que envolvia o ambiente. Ele olhou na minha direção, mas não me viu.
Já dentro do café comecei a ouvir o som daquela voz calma, ele estava rouco, provavelmente por conta de mais uma ressaca do fim de semana. Como o som do meu nome fica mais bonito no som daquela voz. E não era loucura, eu ouvi sim, era o meu nome saindo por aquela boca acompanhada da palavra saudade.
Fui até o balcão e pedi o de sempre, mas nunca vou a cafés então o de sempre na verdade era raro. Pedi um suco e caramelo. Não sei exatamente porque inclui o caramelo, mas talvez ele fosse útil na viagem de volta no metrô lotado.
Ele mexeu no cabelo e mais uma vez olhou na minha direção ao chamar a garçonete para fechar a conta. E eu me virei para pagar a minha. Saí antes dele, mas ainda em tempo de ouvir: "Um dia a gente se encontra". Sorri e pensei "é, um dia".

Obs.: Texto do projeto "Ali", para ver os demais textos e/ou continuação do diário/historia clique aqui!

terça-feira, 19 de maio de 2015

O Meu Mundo #03



O complicado de falar sobre meu mundo é que ele é quase que completamente voltado pra mim. Assim como o seu é voltado pra você. E é assim com todo mundo.

As mudanças e as sentenças que carregamos são nossas também, assim como são as culpas, as dores, os remorsos ou arrependimentos. Tudo nosso, no meu caso, tudo meu. Sou completamente diferente de você apesar das semelhanças, e sou completamente diferente de mim mesma dependendo da aflição. Em certos momentos acho que sou feita de aflição. Ou será que é gastura?

Quando acordo pela manhã eu sempre passo tudo que quero do meu dia, tudo que unicamente depende de mim é claro. O que depende de você eu prefiro nem pensar. Ta em outro mundo, no seu. Daí o dia passa e eu vou cumprindo tudo que planejei, os trabalhos, os estudos, a escrita. Ah! A escrita é sempre a melhor parte. simplesmente porque não tenho a obrigação de faze-la ser boa, não faço com a obrigação de se fazer entender, nem ao menos uso dela para conquistar. É algo a mais, é liberdade, é jogar pra fora o nó na garganta, ou a batida do coração descompensado.

Mas voltemos ao mundo. ao meu é claro. O seu é seu e lhe dou o direito de falar, reclamar ou pirar com ele. Mas deixa que do meu eu falo. Sabe porque resolvi compartilha-lo né? Porque quero que você participe, e veja, e quem sabe se reconheça nele. Não em todo ele é claro, mas quem sabe em um pequeno fragmento?

No fim do dia, quando pego o livro da vez e esqueço do meu mundo, me sinto presenteada pelo mundo alheio. Quando ouço suas historias, sonhos e fantasias, me sinto tocada pelo seu mundo particular. E quando repasso mais um dia do meu mundo, percebo que hoje esqueci mais uma coisa. Então coloco na conta do outro dia e durmo.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Amar aMar amor



Você não vê?
Era pra ser
entre sábios e sabidos
era pra passar
entre passados e futuros.

não tenho medo

Talvez entre um caos
ou entre um muro e um mural
não sei seu ponto
não sei sua medida

não lhe meço

Entre barcos e enchentes
entre esquecidos e lembrados
entre lembranças de sonhos possíveis
entre vivencias de sonhos reais

ou entre sonhos,
apenas

Amor amor amor
de onde vem?
Pra onde foi?
entre o que vivi
entre o que viverei
entre o que será amor
amor será o que é
eternizado amor
contínuo amor
Amar aMar amor
Ocorreu um erro neste gadget