quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Eu vi


"Aqueles que se amam e são separados podem viver sua dor, mas isso não é desespero: eles sabem que o amor existe."
(Albert Camus)


Entrei e o vi. Nossa parece que já faz décadas, mas só tem 1 ano. É bem difícil entender o que deu certo e errado no nosso conhecer, porém pra que procurar respostas? A vida sempre me pareceu simples, mas nunca me enganou com relação a ser misteriosa.

Sempre a tratei como um ser de vida própria e pensa que loucura isso: A Vida viva! Mas a verdade é que sempre notei uma pré disposição em ajudar ou prejudicar determinadas pessoas em determinadas situações. Algumas pessoas culpam o cosmos, outras Deus, outras a falta de sorte. Eu não culpo ninguém, nem mesmo a tão linda e as vezes tão chata vida. Só acho que ela vive e pronto. E quanto aos seus mistérios prefiro nem tentar descobrir.

Voltando ao Henrique (já disse que não gosto desse nome?). Ele estava lindo, com aquele sorriso irritantemente apaixonante, conversando calorosamente com ela. Não sei se notaram que estou irritadíssima, mas estou. Ela é mais bonita, talvez seja mais inteligente e mais legal também. Mas eu só consigo ver o quanto ela usa de joguinhos idiotas para conquista-lo. Mas talvez ela pense o mesmo de mim, se é que de alguma forma ela saiba quem sou.

Eu não esperava, de forma alguma, em momento algum, que aquilo iria mexer tanto com dores e saudades que achei que nem sentia mais. Mas era ele, ali, com as mãos sobre a mão dela, sorrindo pra ela e com ela. Claro que não iria ficar pra assistir o beijo. Não precisava sentir a dor de vê-lo ainda mais junto dela. Então sem que ele me visse, sem que um encontro feito pelo acaso (se é que o acaso é um acaso) pudesse prejudicar de alguma forma a sua felicidade, eu me virei e saí.

Ao pensar no amor e nessa dor bonita que sinto, e essa dor causada pelo ciume que senti, que sinto, nada poderia estragar a alegria de poder vê-lo feliz.


Obs.: Texto do projeto "Ali", para ver os demais textos e/ou continuação do diário/historia clique aqui!

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Tia Lili

Depois de muito tempo, passei de novo pela dor da perda. Ta certo, perdi algumas pessoas nesse meio tempo, porém uma que causasse um tombo como esse faziam 14 anos. Uma pessoa que não era perfeita, mas que tinha um amor incondicional pelos seus, e pelo mundo. Hoje eu sinto a dor da perda, depois virá a saudade... Eu só tenho a agradecer o tempo que tive para conviver com ela, e me sinto bem, mesmo triste, em saber que estaremos juntas de novo. Todos nós! E aqui deixo a minha homenagem...
Ocorreu um erro neste gadget